quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Listen to me, please.



I guess I really want a future with you. But I lost my balance between what I need and what I want. I thought that when the rain turned to a storm, you would change your mind... I was totally wrong. And now, I don’t know how to keep this when you don’t even care about yourself. Look, I love you. In the hardest way possible. And I just want the best for you. But what should I do when you don’t want to be helped? What should I do when you don’t care about nothing, while I am here fight for all this shit? What should I do when I just speak the worst words to try to change your mind and you don’t even listen to me? What should I do?

What hurts the most in me is that you don’t have any idea how much I care about you. How I pray every night before I sleep begging to God take care of you. How I get worried every time you step out of my door. How my mind freaks when you’re not happy or when you tell me about your ghosts. And after all, I just want to hold and say that everything will be alright. But you don’t listen to me. Never.

You say that I’m guarded. That I keep my fears and my own monsters inside me. Have you ever thought that this happens because maybe it wouldn’t work say it loud everything that is on my mind, once you have your opinions and thoughts? If you don’t listen to me even when it’s about you, why you would listen to me about myself. Just think about it.

And now, I got scared. Cause you say that I’m one of the most important things in your life. But should I believe when you don’t consider a word I say? 

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O que é o amor


      Eu sempre vivi o amor de um ângulo exterior. Assisti de forma silenciosa ele me acolher todos os dias. E desta forma, foi-me concebido tanta informação sobre esse peculiar sentimento na qual eu admirava tanto, que nunca o havia sentido da mesma forma na qual vocês me mostravam. Até hoje. 

      Assim, como uma pessoa na qual vivencia tal sensação no presente momento, venho por meio destas palavras tentar explicar o que eu aprendi nesses vinte anos como espectadora desse incrível amor.

    Segundo o dicionário, "amor é um sentimento de carinho e demonstrações de afeto que se desenvolve entre seres que possuem a capacidade de o demonstrar." E como vocês o demostraram! Desde pequena, enquanto brincava, eu sentia a necessidade de sempre estar perto. Talvez porque soubesse que estar presente era uma característica predominante entre vocês. E então eu aprendi. Aprendi que:

        Amor é quando a gente se preocupa com o outro, não conseguindo pregar o olho até escutar o ranger das chaves ao abrir a porta. Amor é ficar com um sorriso estampado no rosto depois de uma mensagem espontânea mandado no meio do dia. Amor é a mais complexa oração feita para que nada de mal acontecesse a cada partida. Amor é o mais simples pensamento de que sem um ao outro, a vida não faria mais sentido algum. Amor é a partilha de decisões e o gozo das mesmas. Amor é chorar nas tristezas e rir delas anos depois. Amor é ainda planejar o futuro mesmo com um passado gigante atrás. Amor é colocar a necessidade do outro em primeiro lugar, por mais doloroso que seja. Amor é se preocupar mesmo sabendo que tudo está certo. Amor é o pequeno beijo em cada xícara de café.Amor é cada beijo na testa dado toda manhã. Amor é comprar as mesmas flores todos os anos só pra ver aquele sorriso que te faz feliz.  Resumidamente, Amor é isso que vocês vivem todo dia. E eu sou inexplicavelmente sortuda por presenciá-lo. 

          Parabéns aos que me mostraram que sem o amor a gente não é absolutamente nada.

          PS.: Daqui vinte anos espero ter uma filha tao maravilhosa e legal que faça um textão desse pra mim. Amo vocês <3

         

       

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Hoje

       

           Hoje você me abraçou forte e disse o que eu precisava ouvir, mas finalizou dizendo o que eu já sabia: só o tempo irá curar sua dor. E no fundo eu sabia que você estava certa. Na vida tudo passa, por mais impossível que isso pareça agora. O que te faz rir hoje, amanhã pode te fazer chorar. O que te traz alegria hoje, amanhã pode ser a matriz de sua desgraça. 

         Hoje você me disse coisas que eu vou sempre levar comigo. Você disse que a gente nunca para de crescer. E quando para é porque tem algo errado. Ou que o fim chegou. E eu percebi que é verdade.

         Hoje você me mostrou coisas que nunca fui capaz de ver. Me exemplificou com sua experiência e me disse o quão a vida pode ser dura as vezes, mas só os fortes que levantam e seguem em frente como se nada tivesse acontecido. Você disse que enquanto eu guardo rancor, o motivo de tal sentimento avançou e está a um passo mais a frente por simplesmente seguir enquanto eu me remoía em tristeza e ódio.

         Hoje você sussurrou um "vai dar tudo certo" enquanto cada lágrima derramada tentava me provar ao contrário. E seu otimismo tentava me penetrar enquanto minha barreira impedia de enxergar esperança. E seu toque ligeiro as vezes me rebatia a tentar ir frente, mas minha mente me puxava de volta.

         Hoje você acariciou minha cabeça dizendo tudo que eu queria ouvir. E funcionou. Por hora. Mas você não disse o que eu realmente precisava. E agora isso me assola da maneira mais frígida possível.

         E porque agora, nada parece se encaixar como você disse que encaixaria? As lágrimas voltaram com toda a força e você me olha como se não houvesse mais alguma maneira de me recompor. E eu me desespero, porque depositei tudo em ti enquanto tuas palavras me confortavam. E agora, eu consegui te deixar sem repertório. E estamos sem saída.
        

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Ímpeto - parte 1



Meus pés ainda quentes tocaram o chão gelado. A sensação do contraste definiu exatamente minha aura interior. A batalha constante e a contradição crescente. Próximo ali, suas roupas ainda tomavam conta do quarto escuro. O cheiro predominante não era o meu. Seria difícil quando você partisse. As mãos que antes me tocavam, agora estavam longe com correntes imaginárias te puxando pra longe. Estava ficando difícil respirar e controlar o pânico que estava para surgir.  Levantei-me calmamente, silenciosamente, deixando-o ali imóvel, sem querer pensar no amanhã. Talvez eu devesse facilitar as coisas. Seria egoísta, é claro, mas eu precisava me precaver. Então, seria melhor se eu fosse a primeira a ir, o deixando ali sem explicações ou um simples adeus?

Eu havia planejado na noite anterior tudo o que eu iria fazer. Mas agora, parecia a coisa mais idiota em que eu havia pensado. É impossível não se apegar. É impossível ser fria a esse ponto. Mas eu sabia que se não cortasse as raízes ali, eu não seria forte suficiente depois.

Ainda extasiada e com a cabeça cheia de coisas, eu tomei rumo ao banheiro, onde havia deixado minha bolsa jogada em algum canto. O reflexo do espelho mostrava minha expressão angustiada e aflita e refletia o medo de partir. Respirei fundo mais uma vez enquanto tomava a coragem necessária para reunir minhas coisas e deixar aquela noite pra trás. Era só mais um dia. Era só mais uma pessoa. Pelo menos era isso que eu tentava imaginar.

Coloquei meu velho cardigã sob minhas costas desnudas e fui em direção à porta. Ele ainda estava lá, com sua respiração pesada, seus cachos caindo em seus olhos e seus tórax em um movimento constante decorrente de sua respiração. Dei uma última olhada, tentando me desapegar de todas as cenas que invadiam minha mente e num súbito, sai dali...


Continua.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

I'm a ghost


          Well hey... It's been a long time. See, I don't feel like talking anymore, but let's be honest: this hurts. Don't get me wrong. It's just that... you know... I don't know what think or feel when you're not around. But, these days, I realized how much importance you have for me. Like a world without air or just a day without music, my heart fell so empty when you're not here. For me, my worst enemy become myself, because honestly, I don't want this for me no more. 

          Maybe I am too hard with my own values. Maybe I push myself much harder than I really can. Maybe I try to be something that I'm not. Or maybe, I'm just another soul with scars burning inside. But really, try to get what I'm tryint to figure it out. I love you. More than I could ever imagine love someone. And this make me want you closer. As close as possible.  

          But I know that there will be always ghosts around us. To tell you the truth, around you. That push you away from me, that make you see things that I can't show you and give you things that I unfortunetly can't offer you. As long as I know you love so, I feel that this will always take you from me, and it hurts so bad. Like, when it comes at you, I suddenly don't exist anymore. 




terça-feira, 21 de julho de 2015

Carta à reflexão


      Caríssimo,

     Ontem eu tomei um tempo para mim. Eu meio que precisava disso, entende? Uma reflexão que mostrasse o que eu estava fazendo a mim mesma. Depois de vários minutos ou até mesmo horas refletindo, pude chegar a várias conclusões jamais pensadas antes. E eu realmente não sei se isso é algo bom ou ruim.

      Primeiramente, lembrei-me do passado. E com isso, minhas cicatrizes arderam como um lembrete de que elas ainda estavam ali, talvez como uma pequena conquista em meu corpo. E nelas eu lembrava de tudo.  De como as pessoas são más. De como por mais que você se doe com todo o coração, eles jamais irão te entender. Que por mais que você ame você nunca vai ser o suficiente. E que se você não tomar cuidado, você se torna uma marionete...

    Mas também lembrei o que isso me acarretou. Sabedoria. Amadurecimento. E lógico, alguns medos.

     Agora, hoje, tudo mudou. Graças a Deus, claro. Talvez eu não tenha mais aquele ar inocente e puro de antes. Eles foram arrancados de mim sem piedade. Mas de maneira alguma eu reclamo. Eu precisava passar por aquilo para eu ser o que sou hoje. Talvez eu pudesse até construir um castelo com todos os tijolos que foram atacados contra mim. Quem sabe... Mas a cada dia sobrevivido, eu tenho a ideia de que tudo é um infinito preparo para o que há de vir. Tenho certeza que o agora se chama presente, pois a cada dia que ganhamos é uma conquista, um presente que nos é dado. Como iremos usá-lo? Ai é que é o ponto chave.

      O meu verdadeiro problema é que infelizmente eu não consegui me concentrar o suficiente para que minhas marcas se cicatrizassem por inteiro. De uma forma metafórica, é como se a ferida estivesse no estagio ainda avermelhado, mas nunca completamente cicatrizado. Pois a cada decisão que deve ser tomada aqui, agora, o passado vem em uma enxurrada me assustando, me amarrando e me puxando para o medo.

       Entenda, não é que eu seja fraca. Pelo menos eu acho. É só que eu tenho medo. De o ciclo se repetir. Eu não quero mais cicatrizes. Eu não quero me machucar. Aliás, quem quer? A questão é que eu tento superar, mas a correnteza me leva para o lado errado. E quando tudo parece se acalmar, a onda volta a vir furiosa e me derrubar.

         Mas eu não poderia ser mais grata. A vida me deu você. Sem pedir nada em troca. E quando eu lhe toco todos esses meus medos se esvaem sem problema algum. E eu tenho esperança com você. De que todas essas marcas vão enfim cicatrizar e eu serei capaz de caçoar desse passado tão distante, mas ainda tão esmagador. Porque eu nunca me senti assim, tão dependente. E o simples fato de sequer pensar e não ter você mais ao meu lado me desespera e eu me afogo em meus próprios pensamentos errantes.

        E então vem o futuro. Ora promissor, ora arrasador. Talvez porque eu tenha a merda de um defeito chamado indecisão. Mas que eu espero que funcione. Porque dentre todas as decisões que eu já tomei em minha vida, você é a única na qual eu me orgulho em ter tomado. Não me arrependo das demais claro, como já dito, eu sou assim hoje graças a elas. Não que isso seja uma boa coisa também, afinal, talvez eu pudesse ser menos arisca ou até mesmo menos neurótica, mas convenhamos, não seria eu de fato. Mas a única certeza na vida é que independente do passado ou do futuro, meu agora é você e mais ninguém. E eu espero que seja assim pra você também.


                                                  Com amor, xxxxxx.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Perdoe-me


        Eu já te agradeci muitas vezes. Já te abracei muitas vezes. Já te esperei por muito tempo. Mas agora está na hora de me desculpar. Engolindo aquele meu orgulho que tanto te fere, eu lhe peço de coração aberto que me perdoe.

         Perdoe-me por eu ser assim tão eu. Essa configuração louca e inconstante. Por eu muitas vezes não estar ali quando você precisou. Por eu ser egoísta muitas das vezes. Por todas as vezes em que neguei-lhe um abraço sem motivo aparente.

         Perdoe-me por eu não ser mais como antes. Aquela por quem você se apaixonou. Aquela em que você depositou suas fichas. Aquela que você queria de volta. Aquela que você sente falta.

      Perdoe-me por eu me irritar tão fácil. Por eu sentir ciúmes quando não o devo. Por sempre enlouquecer levemente só de pensar na possibilidade de te perder. Por me transformar em algo que você não gosta.

          Perdoe-me.

         Principalmente por te ferir sem motivo e piedade. Por eu ser desse jeito asqueroso e medíocre. E quem sabe, apenas uma alma em vão.


         Só perdoe-me. Por favor.

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©